O Incrível Ensinamento do Livro de Rute

Desde o começo deste ano, resolvi pregar na Congregação de que faço parte a partir de uma Série que chamei de “A Bíblia de A a Z”. Assim, a cada pregação, as pessoas conseguem ver a maravilha que são os sessenta e seis livros da Bíblia, postos em perspectiva a cada encontro e como eles apontam para um só caminho, para uma só verdade.

Em uma dessas últimas semanas, o livro da vez era o de Rute. Conforme sabemos, estamos falando de um livro pequeno, de apenas quatro capítulo e oitenta e cinco versos. A vantagem disso é que podemos ler o livro de uma só sentada, o que leva em torno de uns vinte minutos apenas.

Ao fazer isso, preparando a pregação, vi que sem dúvidas o história de Rute é muito interessante, chegando mesmo a conter a que talvez seja a mais bela passagem literária no quesito da representação de um comprometimento de amor e lealdade entre duas pessoas: as viúvas Rute e Noemi, com cujo filho Rute estava casada antes de ele morrer.

A passagem a que me refiro é a seguinte, em que Rute responde a sua sogra, que pede que ela volte para a sua terra:

Não insistas comigo que te deixe e não mais a acompanhe. Aonde fores irei, onde ficares ficarei! O teu povo será o meu povo e o teu Deus será o meu Deus! Onde morreres morrerei, e ali serei sepultada. Que o Senhor me castigue com todo o rigor, se outra coisa que não a morte me separar de ti!
Rute 1:16,17

Eu não quero aqui narrar a história para vocês, pois podem lê-la diretamente da fonte (Livro de Rute). O que quero mesmo é chamar atenção para um detalhe: embora o Livro de Rute seja belíssimo, não creio que o grande significado dele esteja propriamente na vida de qualquer um dos personagens lá narrados.

O grande significado da história somente aparece nos últimos capítulos, quando ficamos sabendo que do casamento de Rute com Boaz, nasce Obede e que esta criança vem a ser pai de Jesse e avô de Davi.

Qual a importância disso? Dois pontos aqui são importantes. O menos importante é o de que Davi, trineto de Rute, foi o melhor rei que Israel já teve. O outro ponto, devo enfatizar, é tão importante que dá a Rute um lugar de destaque na genealogia que lemos no Evangelho de Mateus: Davi é aquele por meio de cuja linhagem Jesus vem ao mundo. Ou seja, Deus usa Rute como elemento importante para trazer o seu plano de Salvação a Terra.

Devo confessar que o que mais me impressionou mesmo foi quando tive a percepção de que nem Rute, nem quaisquer outros personagens da trama principal do livro em questão, tiveram qualquer conhecimento de que Deus estava trabalhando por meio de suas histórias para alcançar estes resultados.

Rute era uma pessoa simples. Não era judia, mas moabita. Os habitantes de Moabe não eram bem quistos pelo povo de Deus. Rute não teve posses, não teve conhecimento, mas apenas escolheu seguir o Deus verdadeiro.

Aqui é que temos a grande verdade que este livro revela: pessoas simples podem fazer coisas simples que tenham como consequência um resultado extraordinário.

Qual é o incrível ensinamento do Livro de Rute? O que aprendemos com ele?

Aprendemos que nunca devemos menosprezar as coisas simples que Deus nos coloca a fazer, pois elas, graças à misericórdia de Deus, podem salvar o mundo, mesmo que nunca venhamos a ter ciência disso em vida.

Aprendemos que nunca devemos menosprezar os resultados que julgamos pequenos diante do que Deus nos manda fazer, pois Ele quer que façamos com dedicação e excelência o que Ele nos chamou a realizar.

Em outras palavras, aprendemos que sucesso, da perspectiva de Deus, é mesmo obediência ao que Ele nos chamou a dizer, independentemente de quão grande ou pequeno isso possa aparentar para o ser humano.

É claro que há outros pontos importantes no livro de Rute, mas era apenas isso que eu gostaria de compartilhar com vocês no bate-papo de hoje.

Deus abençoe.

Tassos Lycurgo