Esposa submissa nos dias de hoje?

Quando se fala em casamento cristão é incrível a influência que a palavra “submissão” apresenta! Em cultos de ensino ou aconselhamento para casais, muitas vezes apenas o mencionar dessa tal palavra faz com que sobrancelhas femininas se levantam e lábios masculinos produzam um pequeno e orgulhoso sorrisinho. Claro que a palavra “submissão”, em si, não é a culpada, mas tais reações são fruto de má interpretações e ensinamentos errados da Palavra de Deus.

A exortação à submissão da esposa ao marido é inegável na Bíblia (Colossenses 3:18; Tito 2:5; Efésios 5:22,24; 1Pedro 3:1,5), mas será que entendemos realmente o sentido de submissão? Por que Deus fez tanta questão de ressaltar esse papel da esposa para com o marido no casamento cristão?

Para responder a essas questões é importante deixar claro que “ser cristão” significa “ser como Cristo” ou ter na vida de Jesus um exemplo para viver sua própria vida. Então quando se fala em “casamento Cristão”, refere-se a um casamento tendo a vida de Cristo como modelo.

Jesus Cristo é a segunda pessoa da Trindade, o Filho. O Filho, o Pai e o Espírito Santo são três pessoas que formam uma só: o nosso Deus. As pessoas da Trindade diferem-se entre si e exercem papéis diferentes, mas, mesmo com diferentes funções, elas possuem igual importância e juntos eles são um só e andam em um mesmo propósito.

Da mesma forma acontece no casamento: o homem e a mulher se tornam uma só carne (Gênesis 2:24, Mateus 19:5) e juntos passam a compartilhar o mesmo propósito de vida. Embora sejam duas pessoas diferentes, com características diferentes e papéis familiares diferentes, eles trilham uma estrada comum, seguem a mesma direção e estão de mãos dadas, comprometidos no mesmo propósito familiar. Não há aquele que desempenha o papel mais importante, todos possuem responsabilidades e desempenham papéis de igual importância.

Jesus, como segunda pessoa da trindade, se despiu de sua majestade e se fez carne em submissão e obediência ao Pai (Filipenses 2:5-8). em João 5:36, Jesus disse que a própria obediência dele ao Pai era o que testificava que ele era o Cristo.

A submissão e a obediência são escolhas. A submissão de Jesus ao plano de Deus lhe resultou em exaltação, Deus lhe deu um nome que está acima de todo nome (Filipenses 2:9), mas não apenas isso! Da mesma forma que a insubmissão de Adão trouxe o pecado ao mundo, a submissão de Jesus trouxe vida e redenção para todo aquele que confesse o seu nome para a Glória de Deus Pai (Romanos 5:19; 1Coríntios 15:21-22; 1João 4:15; Filipenses 2:11)!

A obediência de Jesus ao plano do Pai foi a chave que trouxe o resgate da humanidade para um relacionamento com Deus (Colossenses 1:13) e tornou cada cristão templo e morada do seu Espírito Santo (1Coríntios 6:19).

Para exercerem funções distintas foi que Deus fez o homem e a mulher tão diferentes. O que muitos pensam ser um desafio para convivência a dois, na realidade são ferramentas dadas por Deus para que cada um ocupe o seu lugar no seio familiar e realize as suas responsabilidades livres de qualquer peso.

Deus criou o homem mais forte física e emocionalmente para que ele esteja menos sujeito à influências e possa ser capaz de decidir com mais clareza em relação aos planos familiares. Sobre o homem repousa uma maior responsabilidade quanto à direção da família, o que não quer dizer que ele não deva escutar a sua esposa.

Em 1Pedro 3:7 se enuncia que os maridos devem ser “sábios no convívio com suas mulheres” além de tratá-las “com honra, como parte mais frágil e co-herdeiras do dom da graça da vida, de forma que não sejam interrompidas as suas orações.”

A forma como o marido trata a esposa reflete diretamente em sua vida espiritual. Ele deve trata-la com respeito e honrá-la sempre. Não é possível enxergar honra e respeito a esposa quando o seu marido não a consulta antes de tomar decisões familiares. Embora ao homem caiba a responsabilidade de dar a última palavra, em nome da honra e do respeito que Deus exige que ele tenha pela sua esposa, ele deve ouvir e considerar sempre a opinião de sua ajudadora.

Antes de criar a mulher, Deus observou que não era bom que o homem estivesse só, então Ele fez uma ajudadora idônea para o homem (Gênesis 2:18), uma pessoa que lhe correspondia, uma parceira para o dia-a-dia e para a vida toda, uma esposa. A mulher foi um presente de Deus ao homem e é algo tão precioso que a Palavra de Deus nos diz que “quem encontra uma esposa encontra algo excelente; recebeu uma bênção do Senhor.” (Provérbios 18:22).

Mulher, na submissão não há peso. No casamento idealizado por Deus, a mulher como parte mais frágil, deve se submeter ao marido como a Igreja está submissa a Cristo (Efésios 5:24), que se submete não por obrigação, mas por amor, por saber que isso é segurança e proteção para ela. E o esposo, assumindo o papel ao qual foi criado para assumir, deve honrar e respeitar a sua esposa, amando-a como Cristo amou a Igreja e se entregou à morte na cruz por ela (Efésios 5:25). Fazendo isso, ele ouvirá de Deus e a sua família irá bem em todos os seus caminhos.

Sejam abençoadas,

Camila Lycurgo