Da lista da revista Veja dos maiores QI’s da história, pelo menos 80% creem em Deus e 50% são cristãos

No mês passado, a revista Veja publicou uma lista com os donos dos maiores QI’s de toda a história. Ou seja, uma lista com as 10 pessoas mais inteligentes que já existiram. Como antes disso eu houvera publicado aqui mesmo neste blog um texto que demonstrava que das 10 pessoas vivas com maior QI na atualidade, 8 creem em Deus e pelo menos 6 são cristãs, veio-me logo a curiosidade de ver como esta estatística se comportaria se analisássemos não os 10 maiores QI’s da atualidade, mas sim os 10 maiores QI’s de toda a história da humanidade.

Antes de analisamos os nomes, gostaria de esclarecer que não vou entrar no mérito de se a lista de Veja poderia ser alterada por um ou outra pessoa. Apenas aceitei a lista como está e a partir dela é que iremos analisar quantas das dez pessoas mais inteligentes que já existiram creem em Deus e quantas dessas são cristãs.

Vamos à lista:

  • Johann Goethe (28.08.1749 – 22.03.1832), QI estimado de 210 a 225.

Não diria que Goethe foi cristão, embora tenha nascido em uma família luterana. Conforme lemos em Nicholas Boyle, mais especificamente na obra “Goethe: The Poet and the Age”, ele teria se descrito como alguém que, embora não fosse cristão, não era contrário ao cristianismo. O que é certo é que ele não migrou para o ateísmo, de maneira que podemos compatibilizá-lo como teísta, mas não cristão.

  •  Albert Einstein (14.03.1879 – 18.04.1955), QI estimado de 205 a 225.

Embora Einstein fosse judeu de nascimento, parece que o judaísmo não representava a sua visão religiosa. Na obra “Gelegentliches”, lemos uma passagem interessante que Einstein escreveu sobre as suas concepções religiosas. Veja:

Essa crença firme, uma crença ligada a um sentimento profundo, em uma mente superior, que se revela no mundo da experiência, representa a minha concepção de Deus. Na linguagem comum, isto pode ser descrito como ‘panteísta’.

É interessante notar que, embora Einstein se rotule como panteísta, a descrição de sua crença mais parece com um teísmo. Expressões como a de que Deus é uma mente superior que se revela no mundo da experiência estão muito longe de serem consideradas panteístas. Muito pelo contrário, aplicam-se perfeitamente à visão teísta do mundo.

De qualquer forma, Einstein não era cristão, mas também não era ateu, pois sendo panteísta (como se rotula) ou teísta (como se descreve), ele crer na divindade.

  • Leonardo da Vinci (15.04.1452 – 02.05.1519), QI estimado de 180 a 220.

Embora os manuscritos de Da Vinci que conhecemos discorram sobre arte e ciência, a corrente majoritária de estudiosos defende a tese de que ele não era apenas teísta, como também era cristão. Entre outros tantos fatos, vale a pena relembrar uma de suas obras primas, “A Última Ceia”, em que o pintor representa Cristo em um dos momentos mais importantes de seu ministério na Terra.

Veja a obra:

the-last-supper

Vemos, portanto, que Leonardo da Vinci era teísta cristão.

  • Isaac Newton (25.12.1642 – 20.03.1727), QI estimado de 190 a 200.

Newton, que talvez tenha sido a mente mais brilhante a se debruçar sobre a ciência, não era apenas teísta, como era também cristão devoto. Para que você, meu amigo, tenha uma ideia, o maior cientista de todos os tempos dedicou mais tempo da sua vida a estudar e escrever sobre teologia do que sobre ciência. Nos seus manuscritos, encontram-se textos que somam torno de 1,3 milhões de palavras unicamente sobre a Bíblia.

Newton também se engajava em projetos na Igreja Anglicana, em que congregava. Há registros de sua participação em ministérios práticos da igreja, como o de contribuir financeiramente para que fosse viabilizada a distribuição de bíblias para os pobres, assim como em um projeto para a construção de cinquenta igrejas na área de Londres.

  • James Maxwell (13.06.1831 – 05.11.1879), QI estimado de 190 a 205

Maxwell, o formulador do eletromagnetismo no século XIX, foi certamente um dos homens que mais influenciaram a física em toda a história. Sem as suas equações, por exemplo, Einstein não teria formulado a relatividade. Além disso, ele era um cristão praticante e altamente conhecedor da Bíblia. Assim como Newton, envolveu-se em muitos ministérios práticos da igreja, como o de visitar os doentes para orar por eles, entre outros.

É digno de registro uma oração que foi encontrada entre as suas anotações, de forma que a transcrevo logo abaixo para que você veja como ela é bela [1. Williams and G. Mulfinger, Physical Science for Christian Schools, Bob Jones University Press, Greenville, South Carolina, 1974, p. 487.]:

Deus Todo-Poderoso, que criaste o homem à Tua própria imagem, e fez-lhe uma alma viva para que possa buscar a Ti, e ter domínio sobre as Tuas criaturas, ensina-nos a estudar as obras das Tuas mãos, para que possamos dominar a Terra para o nosso uso, e fortalecer a razão para servir a Ti; de modo que possamos receber a Tua Palavra abençoada, para que possamos crer nEle a quem enviaste, para nos dar o conhecimento da salvação e da remissão de nossos pecados. Tudo o que pedimos é em nome do mesmo Jesus Cristo, o nosso Senhor.

Maxwell, conforme vimos, é teísta e cristão.

  • Rudolf Clausius (02.01.1822 – 24.08.1888), QI estimado de 190 a 205

Não há como identificar qual é a visão religiosa do autor de uma das leis mais importantes da física, a Segunda Lei da Termodinâmica.

  • Nicolau Copérnico (19.02.1473 – 24.05.1543), QI estimado de 160 a 200

Da mesma forma, não identificamos com certeza a sua visão religiosa de Copérnico quanto à existência de Deus, embora possamos dizer que a sua relação com a Igreja Católica não tenha sido muito boa. Foi a Igreja Católica que o perseguiu por ser o autor do modelo heliocêntrico do universo, o qual afirmava que era o Sol que girava em torno da Terra e não o contrário.

Assim, para que fiquemos se erros em nossa análise, nem sequem tomemos Copérnico como teísta.

  • Gottfried Leibniz (01.07.1646 – 14.11.1716), QI estimado em 182 a 205

Leibniz escreveu sobre filosofia e matemática, tendo destaque os seus estudos sobre cálculo integral e diferencial. No que diz respeito ao seu posicionamento religioso, era teísta cristão. De acordo com o biógrafo Hebert Breger, em sua obra “Deus a Matemática no pensamento de Leibniz”,

Leibniz cria no Deus do Cristianismo e ele também tinha uma estima extraordinariamente elevada quanto à razão e as suas capacidades.

Tanto é assim, que Leibniz se dedicou à apologética cristã, notadamente à prova da existência de Deus na obra “Vindicação da Justiça de Deus”, que publicou em 1710.

  • William Sidis (01.04.1898 – 17.07.1944), QI estimado de 200 a 300

Quando criança, Sidis certamente foi uma das mais brilhantes que já existiram. Para se ter uma ideia, ele entrou em Harvard aos 11 anos de idade, formando-se aos 16 anos. Em 1919, ele foi preso por participar em um movimento socialista nos EUA. No tribunal, expôs a sua visão religiosa, dizendo que o tipo de Deus que ele não acreditava era o que chamou de “o chefão dos cristãos”, esclarecendo que cria em algo que era além do ser humano.

Portanto, não podemos tomá-lo por cristão, embora possamos entender que ele cria em algum tipo de teísmo.

  • Thomas Young (13.06.1773 – 10.05.1829), QI estimado de 185 a 200

Young era um verdadeiro erudito, tendo contribuído para muitas áreas do saber. Embora tenha escrito sobre história do Cristianismo e também um grande estudioso da Bíblia, ele era reservado na exposição públicas de suas crenças religiosas. Sabe-se, contudo, que ele congregou na Igreja da Inglaterra, tendo inclusive lá se batizado. Além disso, há registros de falas suas estabelecendo que era responsável pela utilização dos talentos que Deus o deu e não pelo que Deus não havia o dado.

Young era, portanto, teísta cristão.

  • Conclusão

Pelo que vimos aqui, podemos concluir que das 10 pessoas mais inteligentes da história da humanidade, pelo menos 8 creem em Deus, e 5 são cristãs (quase todas protestantes). É, curiosamente, quase a mesma proporção que encontramos quando analisamos no outro texto as pessoas mais inteligentes da atualidade.

São eles.

  1. Teístas cristãos: Leonardo da Vinci, Isaac Newton, James Maxwell, Gottfried Leibniz, e Thomas Young.
  2. Teístas não cristãos: Johann Goethe, Albert Einstein, e William Sidis.
  3. Não sabemos: Rudolf Clausius  e Nicolau Copérnico.

Mais uma vez demonstramos que a Verdade em Jesus Cristo é algo a que podem chegar todas as pessoas, inclusive aquelas que se destacam pelo uso da razão. Deus, em Cristo, está definitivamente de braços abertos para receber todos os que assim queiram.

Deus abençoe,

Tassos Lycurgo