A mentira tem pernas curtas

Você já conheceu alguém que aparenta ser algo que não é ou fala algo que não faz? Eu já e, infelizmente, este tipo de pessoa é cada vez mais comum de se encontrar no meio cristão, mas não deveria ser assim.

Pessoas com esse tipo de comportamento são chamadas de hipócritas. O hipócrita nada mais é do que um mentiroso que busca a aprovação de homens fingindo ser algo que não é. Este tipo de comportamento não é algo condizente com a postura cristã. No evangelho de Mateus, nós lemos a seguinte instrução:

Seja o seu “sim”, “sim”, e o seu “não”, “não”; o que passar disso vem do Maligno. (Mateus 5:37)

A orientação que nos dá a Palavra de Deus é a de que falemos a verdade em qualquer situação. Tudo o que não for a verdade não procede de Deus e o cristão não deve ter qualquer interesse em proceder daquela forma.

Ser cristão significa ser como Cristo. Jesus, definindo a si mesmo, disse:

Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim. (João 14:6)

Cristo e a verdade são um só, não há como separá-los. Se somos cristãos, devemos ser como Cristo e em nossa vida não deve haver lugar para a mentira, seja ela de qual tamanho for. Sim, porque para Deus não existe mentira, mentirinha, mentirão ou mentira santa. Para Deus o que existe é o pecado da mentira, seja ela grande ou pequena.

O apóstolo Paulo, em sua segunda carta aos Coríntios, compara o cristão às cartas vivas (2Co 3:3). O que o apóstolo quer dizer com essa comparação é que o cristão deve ser uma exposição de quem Cristo é. Ele deve refletir o caráter de Cristo por meio de suas palavras e ações, pois a sua vida fala muito mais alto do que qualquer pregação.

Palavras ao vento se esvaem e não permanecem se não forem acompanhadas de uma ação correspondente. Pregar e não fazer não produz vida, pois não passa de uma mentira. Lembremos que Jesus, além da verdade, também é a própria vida, então onde há mentira não há verdade, não há vida. Jesus não está envolvido.

Mas Cristo, no evangelho de João, deixa claro com quem nos envolvemos quando mentimos:

Vocês pertencem ao pai de vocês, o diabo, e querem realizar o desejo dele. Ele foi homicida desde o princípio e não se apegou à verdade, pois não há verdade nele. Quando mente, fala a sua própria língua, pois é mentiroso e pai da mentira. (João 8:44)

Quando o cristão cede ao impulso de mentir, seja a mentira pequena ou grande, na realidade ele está renunciando a andar na luz da verdade (Jesus) e representar o Reino de Deus aqui na Terra, para seguir o pecado e andar sob o julgo do pai da mentira. Mas o que será que leva um cristão a mentir?

A principal armadilha que o diabo lança, como não poderia deixar de ser, é outra mentira. Geralmente ele faz a pessoa acreditar que mentir é a melhor solução. Ele leva a pessoa a pensar que o ouvinte não aguentaria ouvir a verdade, que a mentira evitaria confrontos ou lhe traria algum tipo de benefício, que a mentira pouparia o mentiroso de ferir o próprio orgulho ao ter de assumir um erro, e etc. Mas, embora esses procedimentos possam fazer sentido e até funcionar no momento, a cobertura da mentira é muito fina e sensível, ela não persiste por muito tempo, e isso é algo claro na Palavra de Deus:

Saborosa é a comida que se obtém com mentiras, mas depois dá areia na boca. (Provérbios 20:17)

A testemunha falsa não ficará sem castigo, e aquele que despeja mentiras perecerá. (Provérbios 19:9)

Como cristãos e filhos de Deus, devemos andar na luz da verdade, naquilo que realmente somos. Enquanto escolhermos andar na luz do Senhor e nos seus comandos, estaremos livres das ciladas do maligno, mas quando escolhemos livremente seguir as instruções do nosso adversário, mais cedo ou mais tarde ele irá cobrar a conta. E embora possa parecer que tudo está em nosso controle e que as consequências da mentira sempre poderão ser evitadas, a verdade é que sabemos que a intenção do pai da mentira, daquele com o qual escolhemos nos aliar, sempre será a nossa destruição.

Por isso amados, se somos cristãos, somos como Cristo e devemos andar na verdade. O orgulho e a soberba não devem fazer parte da nossa vida. Se erramos, que peçamos perdão. Se as pessoas não nos acham bons os suficientes, que nunca percamos a confiança de que fomos maravilhosamente formados por Deus (Salmo 139:14) para um propósito.

A mentira e a hipocrisia são antagônicas ao verdadeiro cristianismo, por isso as nossas palavras e o nosso proceder devem ser espelho do Espírito da verdade que carregamos por dentro. Se, porventura, o falar a verdade possa nos trazer algumas consequências, que nunca negligenciemos a graça de Deus que nos é disponível para realizar tudo aquilo que Ele nos requisitar a fazer. Esta graça nos basta em qualquer situação.

Sejam abençoados,

Camila Lycurgo